Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

...

Será breve o beijo no rosto
mas tão leve como um sinal de fumo a escrever nos olhos
como se fossem o céu azul.

Será breve o beijo no rosto
mas tão leve como uma gota de chuva
se o coração se abrir ás confissões da noite
enquanto se faz o amor.

Será breve o beijo no rosto
mas tão leve como um sinal de fumo
a escrever nos olhos como se fossem o céu azul.

Será breve a raiz que arranca o desejo á terra.

Será breve o beijo que a paz dá á guerra
mas a noite não ficará no pensamento
e será quem sabe as mãos depois da madrugada.

Será breve o beijo no rosto
mas tão leve como um sinal de fumo
a escrever nos olhos como se fossem o céu azul.

Lobo 06
publicado por relogiodesacertado às 17:59
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

...

Começamos muito cedo esta viagem para fora do corpo…são tristes as primeiras noticias de um caça-bombardeiro a golpear velhos, crianças e mulheres, varrendo como faz o vento e como se isso fosse a palavra do Deus da vingança. O homem chamasse Cláudio: É fotógrafo de um jornal francês e dentro de algumas semanas vai ser enviado para a frente de batalha. Vão se escutar as metralhadoras, os flash, o salpicar das pedras, o correr das galinhas, o medo silencioso vai espreitar ás janelas. Cláudio anda de vizita pela cidade de Lisboa, vai ficar algumas semanas, depois partirá, partirá quando forem cinco da madrugada. Na mala de viagem vai levar uma garrafa de vinho do porto e um molhe de postais para enviar á ex. Mulher e aos filhos. A máquina fotográfica não faz sangrar, pode abrir nas cabeças dos senhores da guerra uma glória, uma publicidade… a comunicação social está mostrando o poder da guerra, a impunidade. Os velhos, as crianças, os milhares de vidas são uma rotina necessária para enriquecer os senhores da guerra, os senhores da informação, o cidadão ávido de se tornar um criminoso passivo sentado no seu sofá, esperando a comida e abusando da mulher e a encher-se de vomitado e de uma falsa indignação, o seu pobre coração pode parar, tem lágrimas nos olhos, grita a perguntar quando vem a comida.
- Gosta desta cidade?
- Não percebo.
- Fala inglês?
- Sim… mas sou francês
- Eu das ilhas…
- Você é do atlântico!?
- Tenho mar por todos os lados, as pessoas cheiram-me a mar, o vinho que bebo, o tabaco que fumo. Chamo-me vicente.
- Cláudio, muito prazer.
- Muito prazer. Sou fuzileiro, alistei-me como voluntário para servir nas terras do petróleo.
- Você é um pescador de dinheiro…
- E você que guarda nessa máquina fotográfica?
- Segredos de amor.
- Você é um pescador de mentiras.
- Sou.
- Vou andar um pouco pela cidade, ouvir musica, ver mulheres, contar-lhes as minhas façanhas, esmurrar uns tipos.
- Que tipo romântico você me saiu!
Nessa noite Cláudio seguiu na direcção do hotel, a lua seguia-o e ele começou a trautear uma canção, trauteava tão devagar como devagar era o seu caminhar.
- Está frio disse ele a imaginar-se a falar ao céu.
- Senhor quer que chame um táxi?
- Não é preciso
- Não tem medo dos ladrões?!
- O mundo está cheio de guerras e de ladrões
- O meu irmão bate e rouba a minha mãe, é uma guerra… o meu pai não trabalha e o meu irmão tem aquela doença dos maricas.
- Tens fome?
- Não
- Eu ando com muito apetite.
- Apetece-me um sumo de laranja.
- Vamos beber um sumo de laranja fresco!
- Quanto tempo vai cá ficar?
- Vou ficar mais dois dias.
- E depois?
- Depois vou até ao Sudão.
- Onde é que isso fica?
- Fica em África.
- O meu irmão quer ir para Africa como militar.
A minha mãe diz se ele fosse, acabava o inferno lá em casa, talvez ganhasse juízo, ele podia mandar dinheiro de lá para nos matar a fome.
- Sabes morre-se de guerra e de fome.
- Este sumo de laranja está saboroso, parece o pôr de sol.
- Ainda não te perguntei o nome.
- Chamo-me ardina, acho que é alcunha, dizem que falo como um vendedor de jornais.
- Como é que sabes falar francês?
- Foi com um tipo amigo do meu irmão.
- Ele ensinou-te francês?
- Ele era francês.
- Também presto favores aos turistas.
-que favores?
- Faço certos trabalhos por comida.
- Que trabalhos?
- Trabalho para ganhar dinheiro.
- Explica-me.
- Olhe, tenho de ir.
- Acaba o teu sumo.
- Você está aborrecido?
- Não
- Se olhar o mar vai sentir-se bem. O mar afoga tudo.
- Até amanha.
- Até amanha.
Cláudio seguiu ao longo da praia, a noite cheirava ao podre do peixe e a cola de sapatos. Ao longe havia uma fogueira acesa e á volta estavam alguns putos. Ele pegou na máquina e pediu ao mar um sorriso, naquela noite não conseguia ver o azul que o vestia, sabia ao olhar aquele fogo que certas coisas ele não queima, ou que talvez a memória tenha esse poder, o poder de fingir esquecer. O miúdo que ele conhecera era um prostituto e também ele se sentia um pescador de vidas, lançava o flash a águas alheias e pegava soldados, gente solitária, mentiras tão grandes e pesadas como o tamanho da dor que não se quer viver. Ia beber mais vinho, escrever no seu bloco de notas tudo o que fosse capaz, quem sabe se aquele dia não podia ser toda uma vida, se fosse possível que um único prazer justificasse todas aquelas vezes em que o jogo fosse sujo, em que a condição humana fosse rastejar perante a indiferença e o desrespeito da terra. Entrou no mesmo bar que já conhecia antes, aproximou-se dele o jovem fuzileiro.
- Sabe uma coisa
- Não sei.
- Eu era capaz de beber o mar todo.
- Eras?!
- Quando a minha boca bebe o sexo da minha puta, parece que tomo o salgado do mar.
- E como se chama ela?
- Mariana.
- Esse nome tem mar
- Os olhos dela são grandes
- O significado da minha vida é que está a ficar pequeno.
- Deve ser o amor…
- Como defines o amor.
- Na vida ou no amor é melhor andar de olhos fechados.
- Já que a vida nos engana o melhor é enganar o amor.
- Vou contar-lhe uma coisa.
- Ando fugido
- Andas fugido?!
- Estou com problemas…
- Que problemas são esses?!
- Assuntos antigos, devo dinheiro a um passador. Estou ameaçado de morte.
- Que queres fazer?
- Talvez embarcar no primeiro navio e voltar ás terras do petróleo.
- E a tua mãe e o teu irmão?!
- Sou sozinho.
- Eu conheci o teu irmão, um rapaz com a cabeça cheia de histórias e a barriga cheia de fome.
- E que histórias lhe contou ele?
- Nenhuma
- Sabe uma coisa?! Confio em si
- Sinto-me honrado.
- É?
- Mas sei que nesta conversa falta uma coisa, uma coisa essencial para que este mundo haja alguma justiça, falta verdade meu caro.
- Apetece-me esmurrar-lhe o nariz.
- Conta-me a tua vida, durante o tempo que ainda cá estiver terei algo para me entreter.
- A minha vida tem o mar profundo e um amor eterno.
- Se continuas assim o teu destino é um poço escuro.
- Cada qual trata a solidão como quer… neste jogo não há regras, é morrer e deixar morrer.
- Estou comovido.
- Olhe o que é que você faz na vida?
- Sou fotógrafo num jornal em França e dentro de dias parto para o Sudão.
- Você já fotografou a porcaria que há dentro de si? Que sabe você de dor?! Que sei eu da dor de cada um?!
- Ninguém sai ileso desta merda.
- Dá-me um cigarro.
- É tabaco forte.
- Daquele que arranha a garganta
- Desse mesmo.
- Ontem estava com a minha Mariana, enquanto olhava o céu pensava como seria viver por lá, sem ninguém a chatear, só eu e ela, outro dia tive essa sensação, até perguntei à miúda: ó Mariana achas que há limões por lá?

Hoje vou confessar-me ao mar, pedir-lhe que me conte as partes ocultas da humanidade. Não sei se ele entende o meu francês, mas o que é importante é que ele consiga desvendar estas vidas pobres e vergonhosas, estas vidas ao mesmo tempo grandes e portadoras de uma beleza silenciosa. Que o mar consiga contar-me o segredo de todas estas vidas como quem arranca a crosta ás feridas e vê o sangue a jorrar como água cristalina saindo da alma.
- Você está a pensar em quê?
- Estava a flutuar pelas ruas e pelos olhos.
- Eu também costumo flutuar.
- Tens muito pó a flutuar nas veias.
- Também tenho uma borboleta tatuada.
- As borboletas e a morte é uma estranha combinação.
- A música é como a morte dizia-me um chulo.
- Como a morte?!
- Toca-nos e abandona-nos ou fode-nos e nem sequer nos paga. Você está quase de partida não é?
- Parto no domingo.
- No sábado tenho um baptizado.
- És católico?
- É da tradição.
- Que coisa estúpida a tradição.
- Que conversa a sua…
- Que tem?!
- Não gosta das festas, não gosta do vinho, das mulheres e das putas a chorar e do sermão do padre e do bacalhau e da barriga cheia e do som dos peidos a ecoar pela cabeça cheia de tédio.
- O que é que andas a ler?
- Puta de nada.
- Não te irrites.
- Já li um romance…
- Qual?!
- Crime e castigo.
- Também já li quando tinha dezoito anos.
- Você vem ao baptizado?
- Vou ser baptizado pelo mar.
- A minha Mariana vai levar o vestido mais bonito, todos vão cegar de tão bonita.
- Quando estás no mar costumas escrever-lhe?
- Nós trocamos poesia entre nós, já sonhei que escrevia no mar e que o vento lhe levava noticias minhas.
- Não leves a mal a minha pergunta, mas porque é que consomes heroína.
- É por causa da dor.
- A dor está dentro de todos, dos ricos dos pobres, as plantas tem dor, os animais tem dor, todos temos dor.
- Mas a dor de se sentir perdido, de não perceber a existência…
- Não és o único, embora a tua dor te cegue.
- Todos estão cegos.
- Em parte é verdade, andamos todos a consumir uma droga qualquer, não nos basta a plena vida, temos que inventar novas diversões.
- Estou a deixar, por enquanto ainda me sinto invencível.
- Queres dar uma volta pela cidade?
- Está uma noite quente.
- Lisboa tem um nome feminino, deve ser por todas as mulheres serem quentes…
- Eu sou de outra cidade.
- Sou de uma ilha chamada santa Maria
- Já vives por cá há muito tempo?
- Desde os catorze.
- Porque vieste?
- O meu pai era pescador, um dia escondi-me no seu barco e quando me descobriram já não me podiam mandar embora.
- Depois ficas-te em Lisboa.
- Fiquei com o meu pai e a seguir ele mandou dinheiro á minha mãe para vir, aquilo por lá era uma vidinha de miséria.
- Aqui é pior?
- Estar preso é pior, mas as ilhas estão em toda a parte.
- O teu pai ainda é vivo?
- Morreu á sete anos de cirrose.
- Deixou de trabalhar?
- Voltou á ilha e andou por outras, mas voltou pobre, o mar não tem ouro.
O vinho era o ouro do meu pai.
Cláudio seguiu até ao hotel, no seu bloco de notas apontou dispersos pensamentos, não conseguia dormir, não sabia que fazer dos dias restantes. Pegou no telefone e ligou para o aeroporto, queria saber a hora exacta em que partiria o seu avião. Momentos depois de ter desligado o telefone tocou.
- Sim!
- Já ouviu o som de uma faca a cortar
- Vicente que conversa é essa
- Encontrei o último soldado
- O ultimo soldado?
- A morte.

Cláudio leu a notícia no jornal. No dia seguinte conheceu Mariana, ficaram mudos a olhar-se, entre eles estava o mar.

Lobo 06



publicado por relogiodesacertado às 22:42
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2006

...

No olhar dos outros eu vejo o outro lado mas nem sempre nessa solidão fica a noite.

No olhar dos outros e nas suas mãos
golpes, danças e cicatrizes
mas nem sempre a solidão faz os dias vazios.

No olhar dos outros eu vejo a parte fundamental da vida
mas nem sempre da parte profunda da tristeza fica o outro lado da viagem.

No olhar dos outros eu vejo o outro lado mas nem sempre a face tem lágrimas. Golpes danças e cicatrizes mas a outra vida é o que não se pode tocar mas se consegue ver dentro da água.

Essa água que é a alma que nos veste com a roupa de toda a natureza .

No olhar dos outros eu sei o outro lado
medos , sorrisos e todas as formas do amor
golpes , danças e cicatrizes mas nem sempre nessa solidão fica a noite.

Lobo 06
publicado por relogiodesacertado às 12:59
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2006

...

Selvagem é ela nua viagem da noite no abismo do corpo. Selvagem é a flor deitada no cimento talvez o amor no modo vagabundo do livre pensamento. Selvagem é ela nua a sua boca a navegar água na mistura do cansaço e selvagem ainda pode ser o mar no espaço reservado da loucura do homem que ao matar-se matou a palavra única para sobreviver além da solidão. Selvagem é ela nua viagem interior da noite no espaço do coração. Mar e aventura um vento frio uma canção sem limite para a voz que se declara para combater o modo triste da vida sem amor. Selvagem é não ter a alegria dos sentidos universais beber da sede e perder a água ter a paixão e não ter a mágoa que no homem realiza a inspiração que o faz voar. Selvagem é ela nua viagem da noite no grito preso á boca. E se ela não grita grita a lua. E se ela não geme geme a lua e treme a terra. Selvagem é ela nua viagem da noite no abismo do corpo.

lobo
publicado por relogiodesacertado às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2006

...

Com essas pedras nas mãos fechadas declaras que não se pode arrancar o coração á vida da nossa terra e do nosso mar.
Com essas pedras e com essas raízes tu não podes prometer o amor nem fechar o coração dos homens ao perdão, mesmo sabendo de tanto horrores praticados em nome do dinheiro e da nação.

Usurparam a terra em nome de um ter, mas foi na avidez que o ser ao abismo desceu. O ouro é a água que brota mais o ouro dos livros para iluminar a mente.

Com essas pedras se fazem as casas e com as mãos o abrigo para os olhos suplicando que não se matem as árvores nem os rios. A nossa vida é deles também, e nós só percebemos quando a solidão nos atinge a consciência.

Com essas pedras não sei se é possível ler a memória, mas sabemos que o coração sempre guarda o sentido da existência sem precisar de recorrer ás palavras para entender a natureza no seu absoluto dom de entender as criaturas

Lobo 06

publicado por relogiodesacertado às 13:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2006

...

todos os dias eu esperava dentro de mim
o mar que via nos teus olhos
e era como se fosse a primeira vez que a ele me lançava e lhe murmurava as mesmas palavras que tentava te dizer antes de adormecer. Costumava perguntar a uma mãe imaginada que luz era aquela e que gritos misturados na minha cabeça faziam ondas no meu peito. tu contavas-me que é o mar que faz os sonhos e que é a ira da tempestade que faz esta nossa revolta quando somos crianças sem pão e sem vontade. o mar é bonito de azul, mas tem rugas e cansaço quando se deita ao colo da nossa vida, da nossa imaginada mãe, dessa que nos limpa as lágrimas como se fossem dessa água para fertilizar a terra e o coração

lobo
publicado por relogiodesacertado às 17:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

...

Ao longe eu via a paisagem
e a paisagem era nua
assim a sede que eu tinha do teu corpo.

Ao longe eu via a paisagem
e com os olhos fechados
te esperava como quem espera as aves do céu.

Ao longe a noite ficava
como se sussurrasse uma musica
como um aviso de que vens
surpreender os meus olhos.

lobo
publicado por relogiodesacertado às 14:56
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Janeiro de 2006

...

O frio é o silêncio dos olhos...
A noite dentro das palavras
e as palavras dentro da ausência

Vamos a navegar cada silaba nos lábios
a nossa rota é o coração
e somos grandes no amor
á terra e no acto de venerar a liberdade.

lobo
publicado por relogiodesacertado às 12:56
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Janeiro de 2006

...

As minhas mãos na tua face. Tenho uma gota nos meus dedos para fazer florir os teus lábios.
As minhas mãos na tua face. Tenho uma gota apertada nos meus olhos e agora vem-me uma canção aos lábios para que eu consiga proclamar a solidão dos homens e da terra. As minhas mãos na tua face. Tenho uma gota nos meus dedos para fazer navegar as almas solitárias. E agora vem-me uma canção aos lábios e eu bebo a água do teu corpo e vou sobrevoando a montanha. As minhas mãos na tua face. Tenho uma gota nos meus dedos mas talvez seja o rio que tem a música tranquila. Mas os meus olhos agora estão cansados e deixo que o vento me leve talvez aonde estás contemplando as estrelas.
As minhas mãos na tua face. E eu toco a paisagem e com a boca encostada ao teu peito sussurro todo o amor. E dos teus olhos, olho a árvore da vida. Agora vem-me uma canção aos lábios que me faz florir os olhos.

publicado por relogiodesacertado às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2006

...

Que veneno puseram na palavra
ou que silencio levaram á floresta.
Foste tu e a tempestade
talvez uma canção dentro do peito para a revolta
talvez um brando fogo para que as palavras dos labios saiam devagar.

Que veneno foi esse meu amor
que caiu assim como a chuva
ou apenas como um resto de musica
que faz parar o desejo ao coração
quando na morte voltamos a ser naturesa.

lobo
publicado por relogiodesacertado às 19:01
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds