Domingo, 8 de Outubro de 2006

frio

Levantei-me cedo, não tenho ninguem á espera e talvez haja alguém vestido de frio a dar-me noticias. Não queria contar uma história triste mas sinto-me perdido e pouco inspirado ao riso, se eu fosse verdadeiramente louco e se as palavras andassem descontroladas dentro da minha alma talvez eu voltasse a ser na essencia o poeta que fui , o animal, ou a terra povoada de vegetação e cor. Mas agora sinto que me falta algo, senti que durante a minha ultima viagem tinha encontrado uma parte da resposta e que as duvidas me satisfaziam em parte. Agora olho da janela a normalidade cotidiana, o dinheiro a circular nas mãos dos que curam ,dos que adoecem, dos que limpam sujam e falsificam. A vida normal , o trabalho, os filhos, a familia, a politica, a maquina que para no momento da morte. Quando falta inspiração parece acontecer mais forte essa carga de solidão que nos deixa longe dos homens e dos livros e quando a natureza toma conta de nós parece que nos estamos a despedir. Agora tenho pintado e desenhado um pouco, tenho sentido falta das palavras e dos afectos , o tempo não nos beija a boca, nem escuta o nosso coração, é preciso atravessar o muro, é preciso descobrir que o muro não existe, que suporto a dor que acredito.  Tu olhas-me devagar o teu modo de olhar é o silencio dos teus olhos andando em mim. Nós conversamos sobre a felicidade, a nossa felicidade, a nossa solidão, a nossa necessidade de razão parece acompanhada de um egoismo legitimo. A entrega aos outros, a água que se entrega á nossa sede e o pão que se entrega á nossa fome. Podia tentar mas não consigo ser indiferente, preocupar-me com as flores que estão a murchar e com as pedras que já não sentem a respiração dos sedentários e dos nómadas. Olho-te e vejo-te a dançar, o teu corpo desenha no chão a forma possivel do vento. Tens olhos grandes e profundos, quando te penso triste consigo descobrir mais coisas sobre ti. se nós os dois estivessemos comprometidos em amor e em paixão não te trocaria por uma embriaguês. Tu estás a fazer as malas, compras-te uma garrafa de vinho do porto, esse vinho tem frutos incorporados, o amor deve ter frutos incorporados. Agora tenho-me sentido muito só, comecei a ler um romance, imaginar um romance que falasse de mim, que me despisse como se eu levasse o testemunho da minha vida na palma da mão e deitasse tudo sobre a terra num modo como se despejasse água sobre os teus pés. Tenho frio, quando tenho frio lembro-me do louco pintor Holandes, em muitas coisas a nossa vida é parecida a minha talvez um pouco mais arrumada.  Gostaria de ser a flor que recebe a luz do sol ou de ser o caminhante sem me preocupar com o pão nosso de cada dia, que houvesse uma árvore para me alimentar e uma sombra para me acolher e que o trabalho fosse demorado como as estações e houvesse um grande amor, que o salário do trabalho fosse o amor e que depois eu partisse sem precisar de responder ás tuas perguntas inconvenientes á minha liberdade. A natureza põe a mão sobre a minha cabeça como uma mãe, mas também é impiedosa como a água que deixa sedenta a terra, crescemos na dor que torna a nossa arte e qualquer oficio o mais simples e o mais aproximado á perfeita comunicação e entendimento do ser. Abre a boca! a do mundo é grande e o que vemos e cheiramos dá vontade de não querer ver. Andas louca á procura de trabalho, tens formação musical, foste professora numa velha escola publica, hoje tem chuva e ratos velhos. Tens cinquenta e dois anos anos, outro dia disseram-te que as tuas mãos estavam velhas e tu tives-te vontade de dizer que as tuas mãos ainda eram capazes de satisfazer um homem, que ainda podias tocar a sinfonia que fizesse andar o mundo. Gosto da tua pele e dos teus olhos escuros, sobre ti muitos poemas devem ter sido escritos, a vida  é um romance anónimo ou o amor é um romance de anónimos. Mas o que é o amor?! podiamos perguntar isto á cobra que rasteja ou ao homem que não sabe de sua existencia e condição esse ser desencontrado da mente e da alma e a resposta seria um profundo e implacavel silencio. Tu continuas áprocura de trabalho, aos domingos tocas no velho piano da igreja, a musica que ele respira é a tua fé. Agora sei como se chama o teu Deus e sei porque te entregas a ele de todo o coração. Estás agora numa velha pensão, juntas-te algum dinheiro do tempo em que ensinavas na tal escola velha da chuva e dos ratos. Quando estás sózinha naquele sentido em que pouca coisa tem sentido te pões a chorar e quanto mais bebes mais choras.

 

 

publicado por relogiodesacertado às 10:53
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 7 de Outubro de 2006

tao devagar

                                        Tão devagar

                                         que parece um fio de mar na garganta e o rio que escreve a palavra na

                                         solidão de quem canta.

 

                                         Um fado que nos magoa

                                          mas que sentimos prazer

                                           desta lisboa que é luz depois de acontecer

                                          Este silencio da rua

                                           que é lágrima que o povo chora

                                             quando faz falta a saudade, quando a saudade demora.

 

                                                                                                                                                     lobo 06

publicado por relogiodesacertado às 10:16
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Outubro de 2006

carregas no corpo todas as canções

Carregas no corpo todas as canções

um dia voltarás á terra no modo simples

de quem regressa á primeira condição.

 

carregas no corpo todas as canções

dentro de ti corre a transparente água

e um dia voltarás ao estado ausente das palavras.

 

Carregas no corpo todas as canções

e eu olho os teus olhos

depois adormeço

numa viagem de regresso á margem

das palavras com água.

 

lobo 06

publicado por relogiodesacertado às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

...

Tira  os olhos de cima

se fosses um pássaro admitia esse voo

mas não és assim

e aquilo que fores não vai mudar

a mecanica das flores

e dos rios.

 

é por causa de ti

que há uma mecanica

a mecanica que começa na tua vida

e acaba com a tua vida.

 

Não me olhes de cima

não és um pássaro

para me vigiares a alma

 

por causa de ti

há uma mecanica...

a descobrir-te

e a matar-te.

publicado por relogiodesacertado às 00:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds