Domingo, 8 de Julho de 2007

...

Chegas-te de uma paragem do oriente. O teu comboio era de um ferro velho da rua de infancia.

 

Chegas-te de uma paragem do oriente. O relogio da torre nao trabalha mais depois do comboio ter atravessado o tempo.

 

Chegas-te de uma paragem do oriente. O teu comboio era de um ferro velho da tua rua de infancia.

 

A musica fazia andar o teu comboio e tu olhavas as nuvens e as chamines com o fumo das comidas de natal.

 

Agora tu andas pelos parques da cidade com a tua garrafa de vinho e o teu cao. Ja nao existe o ferro velho nem o comboio da tua infancia. Mas ainda se respira o cheiro da primavera e dos bolos quentes.

 

Mais tarde enquanto dormias te levaram para um lugar que se parecia aquela paragem do oriente

 

lobo   escrito em milao 6-7-07

 

publicado por relogiodesacertado às 12:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds