Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

...

Acordo... este é o tempo da paixão. As vozes da rádio, as paredes húmidas da casa e nós inventamos alguém para dançar. Julgo nunca ter escrito um diário , é possível escrever de diferentes maneiras. Quantos modos de voar existem, quantas respirações. Gostava de saber escrever cartas. Quando recebia alguma carta era como o começo de um novo amor. Abrir uma carta tem uma ansiedade parecida aquela quando tiramos a roupa para aquela primeira vez em que íamos fazer amor. No abrir da carta e no despir do outro que se vai revelando. O outro está escondido, ele é a nossa carta, nós abrimos essa carta cuidadosamente. A precipitação pode fazer explodir a nossa vida, aqueles elementos que fazem bater o coração, esses que mesmo parecendo desnecessários fazem falta a esta energia, á compreensão que serve para chegar aos outros. Não existe o falso momento, todos os momentos são verdadeiros, se os rejeitamos podemos ir á outra margem e recuperar fôlego para a existência. Tenho admiração por todos os poetas e até por aqueles que não o são, encontro em todos eles uma história para contar, uma viagem para fazer. O cheiro do papel, da cola a escorrer nos dedos, que sensação! Lembro-me dos dias de sol, de estar sentado nas escadas, de olhar a videira sobre o brilho solar dos meus cabelos louros e nesta abstracção eu profetizava que um dia havia de chover vinho. Nesse instante esperava o carteiro, todas as semanas ele me trazia o mundo de aventuras. Nunca mais soube nada do capitão América, gostava de lhe perguntar coisas sobre a morte.  É possível que o grande poeta, o grande Pablo Neruda que um dia chegou á minha infância ainda a começar no meu corpo adolescente e como um vento que sopra soprou uma canção desesperada. O desespero faz-nos começar as coisas, o desespero força o maior dos empreendimentos. Acendemos o nosso fogo interior, que não se move, que não alimenta nada e depois o desespero é como se a própria morte encontra-se forças para a vida. Penso na pobreza dos poetas, a solidão deles como se eu lhes tocasse o corpo no evocar das palavras que digo, essas que perfuram as raizes e fazem o sangue escorrer. Meus poetas é esta a minha declaração, o pão e o vinho e que coisa seria a vossa inspiração sem essas misérias?! Esses rostos magros e pálidos que a fome mostra e vós que andais no mundo da carne, da luminosa carne, dessa paixão podre e primaveril vos digo que há a suprema confiança, a construção da felicidade para a superação da morte. A imortalidade do capitão América provoca-me angustia, não lhe encontrar uma ruga, não sentir nele um cheiro a corpos caidos, derrubados pela fragilidade, gostava que o capitão América tivesse o poder de fracassar para fazer a tentativa de conquistar o mundo pela incerteza. Perguntas a direcção do mar, também a mim me apetece fugir dos homens. Antes o teu coração era forte. O teu coração estava preparado para a imprevisibilidade dos segredos.

 

publicado por relogiodesacertado às 17:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds