Segunda-feira, 3 de Abril de 2006

...

O vagabundo é um poema e também a terra o cão magro e a lua. A poesia não se esconde só nos livros, também há no prato vazio da comida, nas roupas sujas e nos olhos palidos dos consumidores de coca. O vagabundo é um poema, o poema tem uma parte flor e uma parte lodo. O cão cheio de pulgas é um poema, a mistura da lama e da água, da nuvem azul e do grão de poeira também é um poema.

O vagabundo é um poema e por ser sujo e cheirar a maresia e por isso nos fazer voar nós voamos, voamos de tanto beber. Fazemos um poema, um barco de papel e sorrimos. O poema está na rua, o poema abre as pernas. Vou lamber o poema, o poema é a minha puta.

 

lobo 06

publicado por relogiodesacertado às 03:05
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds