Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

...

Temos os olhos caídos sobre o papel frio. Sentimos que as palavras gastam a vida e que não fazem falta para a substancia do amor.

Temos os olhos caídos sobre o papel frio e desesperamos com a sobrecarga de solidão quando estamos na ausência dos outros

Temos os olhos caídos sobre o papel frio. O fogo consome os dias elaborados dos poetas e dos semi Deuses.

Enquanto existirem palavras não será passível a imortalidade.

Temos os olhos caídos sobre o papel frio. Sentimos que as palavras gastam a vida mas o contemplar alimenta o amor.

 

Temos os olhos caídos sobre o papel frio no entanto algumas palavras são doces como as mãos que se abrem.

Temos os olhos caídos sobre o papel frio. As palavras que escrevemos na água, essas que fazem caminhar o vento nos dedos dos que dançam oferecendo devoção á terra.  continua

 

publicado por relogiodesacertado às 13:45
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds