Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

As coisas ditas de muito longe

As coisas ditas de muito longe, ditas na nossa linguagem ficam a saber a quente, não sei como se pode falar, mas é como dizer que o mar é grande e que a nossa esperança não tem margem. É só abrir os braços, deixar cair as noticias, como fico feliz por ouvir o eco golo, que eco sagrado, que pontapé meus senhores, e dos pés da multidão sai um arco-iris. Que bom ser portugues ter a gramática e o caldo verde debaixo da lingua, que consolo para a minha solidão estes lugares comuns, a distancia dá sentido a esse grito feito vida, que drible, que toque, que futebol magico ensaiado deste lado do meu desencontro

 

lobo

publicado por relogiodesacertado às 20:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds