Domingo, 19 de Fevereiro de 2006

...

Eu não preciso da pintura nem da escrita, mas preciso da cor quente do pão e da palavra agarrada ás mãos dos homens que levam os filhos a ver a terra lavrada e a admirar os pássaros a voar.
Alguém dizia que o importante são as pessoas, o resto é secundário. Tudo o que não apelar á vida e ao amor é apenas um esboço que nenhuma memória pudera conservar. Preciso da liberdade e da justiça, preciso de muito futuro. Que o sol traga muita luz e muito calor para a nossa rua.

A arte: o pintar e o escrever deviam ter o poder de nunca mais se recordar nenhuma dor ou nenhum passado. Não preciso da escrita, nem da pintura e no entanto preciso de ambos. Ainda não sei fazer o caminho de morrer completamente e de me desapaixonar.

Lobo 06
publicado por relogiodesacertado às 19:07
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. O gato que vê o frio dent...

. Os ratos na toca tem filo...

. Essa estrada

. ...

. ...

. ...

. ...

. A morte da mulher do Dono...

. ...

. Nas tuas mãos

.arquivos

. Agosto 2013

. Julho 2012

. Maio 2012

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.favorito

. ...

blogs SAPO

.subscrever feeds